O caso da Garrafa de Cachaça

/, Humor/O caso da Garrafa de Cachaça

O caso da Garrafa de Cachaça

  • Page Views180
  • Curtidas0
  • Avalie este artigo12345

Fato lembrado por um amigo de mocidade e MSN (Cachoeira Escura – Belo Oriente – MG)

Este relato foi publicado em Fevereiro de 2007 em um antigo blog, o Cachaça com Torresmo – link para o artigo original aqui

Corria o ano da graça de 1984 e eu do alto dos meus 17 anos, queria saber é de jogar Voleibol e de curtir com os amigos. Paulinho era um dos amigos da turma do bairro Ouro preto e um cara muito paradão, mas certa vez descolou um fim de semana no sítio de uma de suas colegas de escola, era uma turma de garotas e uma turma de rapazes. O fim de semana prometia.

Chegamos ao sítio, que diga-se de passagem era muito bom, com piscina, campo, quadras, etc, mas como quando a esmola é muita o santo desconfia, o Pai da garota e dono do lugar foi a tiracolo. O homem detestava alcool e determinou que todos dormissem cedo.

Pra piorar, do lado do sítio, tinha um buteco e sejamos coerentes, todo mundo queria é tocar o horror com a mulherada. Determinamos que o Carlos, mais conhecido como “pé de vela” cumprisse a missão de comprar um litro de aguardente na referida birosca depois que o homem dormisse. Vaquinha feita, lá se vai nosso emissário atrás do líquido etílico.

Eu fui cumprir missão de suma importância aos nossos planos. Buscar limões no terreiro.

Acontece que o valor apurado era mais do que suficiente e o maluco comprou dois litros de cachaça e voltou ao covil, mas o infeliz resolveu entrar pela sala, pela frente, para evitar o quarto do proprietário dorminhoco e ao adentrar no local, tropeçou por conta da escuridão e deixou uma das garrafas quebrar no meio da sala do homem.

O fedor de cachaça tomou conta do lugar e antes que a desgraça fosse maior, escondi o outro litro atrás da geladeira. O Pai da moça acordou com o barulho e frente ao cheiro nauseabundo de manguaça começou a tatear no escuro e chutou o urinol (sim, é isso mesmo) tornando o ambiente uma cópia perfeita do inferno de Dante.

O barulho do penico quicando pelas tábuas do lugar impôs uma crise de riso a todos e o Cacá numa impagável tirada disparou:

– Tomara que o homem não tenha cagado

Sinceramente, não havia nada no mundo que me fizesse parar de rir da situação, além disso o homem começou a vomitar palavrões e neste interim, ninguém se atrevia a acender a luz. A galera se contorcia em meio as gargalhadas.

O Homem se entregou ao próprio infortúnio e acabou achando graça de toda aquela merda e a cahaçada foi liberada para a galera, desde que as moçoilas não participassem da farra etílica

Postado em estado lastimável ao som de:

Conhecendo André Henrique

Mineiro, torcedor do América FC, blogueiro desde 2004, técnico em informática, designer e desenvolvedor WEB, desenvolvedor WordPress, Microsoft Certified Professional, Cronista, escritor e admirador de Friedrich Nietzsche.

Ver todos os posts

Contate-nos

Entre em contato com a gente.
  • Digite seu nome
  • Digite seu endereço de e-mail
  • Conte-nos sobre qual assunto deseja tratar
  • Digite sua mensagem
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Comente via Facebook

By | 2017-12-10T00:25:45+00:00 6 de dezembro de 2017 às 00:43 hs|crônicas, Humor|0 Comentários